Metus

There are two basic motivating forces: fear and love. When we are afraid, we pull back from life. When we are in love, we open to all that life has to offer with passion, excitement, and acceptance. We need to learn to love ourselves first, in all our glory and our imperfections. If we cannot love ourselves, we cannot fully open to our ability to love others or our potential to create. Evolution and all hopes for a better world rest in the fearlessness and open-hearted vision of people who embrace life.”
― John Lennon

Muitos são os motivos para temer os fatos que a vida despeja em nossos caminhos. A ansiedade, o medo, o pânico afligem os homens e mulheres em seus caminhos, e estes cada vez menos se encontram preparados para se encontrar com a progênie de Ares. Esses filhos tão temidos frequentemente se disfarçam de coisas belas: Um primeiro emprego, uma paixão ou a liberdade. Em alguns momentos, mostram uma face bem mais horrenda que a sua natureza: A perda de algo ou alguém querido ou o vazio que sentimos dentro de nós ao perceber as mentiras que contamos para nós mesmos.  Qual a sua verdadeira face?

Nelson Mandela uma vez disse que a coragem não é a ausência de medo, mas sim o triunfo sobre o medo.  Acredito que um homem que lutou contra a ignorância e a tirania de todo um governo é mais do que habilitado para falar do medo que sentiu – e em sua frase temos o segredo da nossa luta contra o medo: Não iremos aniquilá-lo, mas apenas triunfar sobre ele. E para triunfar, não é necessário conhecer sua verdadeira face, mas sim se manter longe de seus braços e pernas.

O triunfo pode se dar de várias maneiras: podemos vencer pelo cansaço, pela compaixão, por argúcia ou até por nos unirmos com o inimigo. No entanto, alguns pontos jamais mudam na estratégia de conter e vencer o medo:

1) Seja pequeno. Seus medos serão tão grandes quanto a importância que você dá àquilo que ACHA que você é.

2)Tenha fé. O Medo pode lançar dúvidas em sua mente, mas jamais poderá roubar sua fé de você – e a fé não conhece barreiras e é amiga da confiança e irmã da esperança. Em boa companhia, não importa o tamanho do medo.

3) Planeje.  Escreva sobre seu medo. Dê-lhe forma e aparência. Veja como ele caminha e em que direção caminha – e vá para o lado oposto!

4) Aceite que os Deuses tem um plano para tudo e para todos.  Se abrimos mão de nossas limitações e aceitamos o que  mundo nos impõe, veremos que o que deixamos para trás é muito pequeno perto do que o mundo e a estrada reservam para nós.

Então, vamos caminhar?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *