Arquivo da categoria: Artigo externo

Pareidolia – a teoria do ovo quebrado

Um dos fenômenos mais comuns na vivência mágicka é a procura desesperada por validações das experiências intangíveis. Dados não relacionados são encadeados por nossa mente, em constante estado de busca e procura por significados, e de repente o ovo que caiu da geladeira e se espatifou no chão se torna uma comunicação de um espírito.

Essa armadilha clássica tem um nome: é o fenômeno da pareidolia, onde dados aleatórios são reinterpretados pela nossa mente, gerando padrões que não existem. No grupo que faço parte, chamamos a isso de “Teoria do ovo quebrado”, e é mais comum do que se pensa. Aprendemos que devemos ter cuidado e examinar as ocorrências de nossa vida mágicka de forma analítica, de preferência com o auxílio de um relatório escrito de nossos experimentos (como por exemplo um diário mágicko), e não buscar teorias para justificar nossos anseios.

Um vídeo de 5 minutos explica bem o fenômeno da Pareidolia aplicado a imagens se encontra abaixo:

para saber mais

La Santissima Muerte

Acho bastante interessante como certas forças são imortais e conseguem vestir o manto que precisam para serem reconhecidas pelos homens. Segue abaixo um texto de Steven Bragg, postado originalmente no witchvox, que vale uma reflexão.

La Santisima Muerte: A Practitioner’s Overview

Author: Santa Muertero 
Posted: October 7th. 2012 
Times Viewed: 794 

La Flaka (the Skinny Lady) , La Huesuda (the Boney Lady) , La Niña (the Girl) , La Madrina (the Godmother) , Santa Muerte (“Saint” Death) …these are all names given to a very powerful and popular folk saint from Mexico, La Santisima Muerte (the Most Holy Death) . Santisima Muerte is a very complex figure, having taken on Her most recent manifestation through the same Catholic land that provided the world with what is believed to be the most widely venerated face of the Virgin Mary, Our Lady of Guadalupe. Although the Mexican Catholic priests and bishops denounce her as a figure of satanic worship, Santisima Muerte’s popularity over the last decade has exploded. From an estimated 500, 000 devotees a roughly ten years ago to possibly over 5 million today, it seems that Lady Death is wasting no time in making known Her presence and power among the living. Her devotion has now bled across Mexico’s borders into many other Latin American countries, as well as into the U.S. Many chapels and churches have been established in many places where Mexican immigrants have settled, but these visible establishments are in no way indicative of the number of private altars and shrines most keep in their homes, secretly in many cases.

So, what lies behind this exponential growth of an enigmatic, borderline occult figure, bearing the stark image of the European Grim Reaper, complete with skeleton, cloak, and scythe? What is the appeal of a constant reminder of our own mortality and inevitable death? Despite being labeled a “Narco Saint, ” whose tattoos give law enforcement officers reason to detain and discriminate, Santisima Muerte refuses to allow any establishment, including the Catholic Church, to slow the growth of Her devotion or sway the minds of those for whom She has performed miracles. In this article, I’d like to share my own personal beliefs about Santisima Muerte, stemming from the teaching I received from a person who lived in Mexico and studied under an Hechicero (sorcerer) , as well as my own experiences with La Milagrosa (the Miraculous One) . My hope is to provide those interested with a bit of information about Santisima Muerte and to help dispel much of the misinformation, causing La Santisima to be feared and demonized by Her many detractors.

For those seeking more information in the form of books and media, I recommend the following: La Santisima Muerte – A Mexican Folk Saint, by E. Bryant Holman; Devoted to Death – Santa Muerte, the Skeleton Saint, by Prof. R. Andrew Chestnut; and the 2008 DVD documentary, La Santa Muerte – Saint Death, directed by Eva Aridjis (with English subtitles) .

In the Beginning, God Created…

Exactly from where the current figure of La Santisima Muerte originated is very hard to say. There are theories that She is the revival of the pre-Hispanic Mexican goddess of death, Mitchecacihuatl, that She may be a re-invention of the female Grim Reaper from Spain, La Parca, that She was once a Mexican Catholic nun, and that She came from Italy with roots going all the way back to the Fates of ancient Greece. Regardless of all this, Santisima Muerte now presents Herself as the embodiment of Death itself, with power over life unrivaled by any other saint, spirit, or deity. However, there is one catch. She chose to manifest through a Catholic culture, and Catholic is how She sees Herself. The Catholic/Christian creation story has been tweaked to include Her, for as Adam and Eve ate of the forbidden fruit in the Garden of Eden, Death entered the world as an active force. Santisima also takes credit for being the Angel of Death who reaped the first-born sons of Egypt in the Book of Exodus. However, Her most proud moment was when God ordered Santisima to reap His only Son, Jesus, and therefore Good Friday is Her most holy feast day, a close second/third being All Saints Day/All Souls Day.

La Muerte has usurped the position of a few traditional Catholic figures, such as St. Michael the Archangel in standing and power. She is considered to be “second in command” after God, for whatever God creates, Santisima takes away. However, She hasn’t given the pink slip to the well-known warrior saint like She has to a few others, such as St. Jude. Although Santisima requires Her own space, She does allow two figures of Catholic Mexico to remain close to Her. St. Michael guards and protects Her altars, statues, and devotees from dark forces, while Guadalupe is said to be Her sister or Her “light half.”

Although Death is present the world over, and many religions and spiritual traditions have their own images and names for it, when calling upon Death as La Santisima Muerte, it is through the Catholic prayers, always asking God’s permission to invoke Her, that She works the best and responds to prayers. Removing her from this paradigm is something I strongly advise against. For those who are uncomfortable with the Catholic aspects, think of it as being respectful to a very powerful force. You don’t have to be Catholic yourself to pray to or work with Her, although the vast majority of Her devotees in Mexico consider themselves Catholics. I also advise against placing Santisima into the hierarchy of other spiritual systems, such as Neo-Pagan traditions and the Afro-Caribbean traditions, i.e. Santeria, Vodou, and Palo. She is a very proud spiritual being who enjoys Her own services and altar spaces, and no matter how much a person believes he or she knows about different spiritual systems and how they work, Santisima will always know more.

…A Holy Trinity…

Although I recognize that there are other ways of working with Santisima Muerte and see where many others in Mexico have her wearing many different colored robes, the way She came to me, and the way in which I was taught, was through a tri-colored system. For me, Santisima wears only three robes: white, red, and black. When She wears the white robe, She is La Blanca (the White) . She is called La Roja (the Red) while wearing her crimson cloak, and She is La Negra (the Black) when She wraps around Her the shadows of the night. Each cloak alters Her personality, and therefore, She is approached differently according to the color of Her robe. However, like Her masculine counterpart, the Father, Son, and Holy Spirit, Santisima is three persons in one, a feminine Holy Trinity.

La Blanca is the eldest and purest of the three. She sits at the right hand of God, and She is the one most devotees begin with. Peace, healing, cleansing and purifying are all within Her domain. Her highest blessing is the death of old age and a content heart. Her purity is such that it must be protected by covering Her statue when one has any major dealings with La Negra.

La Roja is the robe associated with worldly matters. Money, love, sex, the courts, business, and justice all fall within Her domain. She is a most accomplished love sorceress, and is famous for bringing back wandering lovers and husbands, especially when there are children involved. However, She is equally skilled at manipulating court systems in favor of Her devotees. The type of death La Roja is associated with tends to involve a bodily fluid the same color as Her robe.

La Negra, though, is the hottest and most dangerous robe of La Santisima. She can protect against the darkest forces, spirits, and witchcraft; even the demons of Hell fear Her. But just as She can protect against them, She can also send them. This is where we are reminded that Death stands outside of our human systems of ethics and morality. Although it’s believed that Santisima only reaps at the order of God, I sometimes wonder if La Negra may sometimes use Her feminine powers of persuasion to gain the consent of the Divine Almighty in certain cases involving the wishes of Her most devout devotees. Diseases are considered to be among La Negra’s children, and these are the majority of the deaths given over to Her.

It is within this complete system of La Blanca, La Roja, and La Negra that a spiritual worker dedicated to Santisima Muerte can petition La Muerte for any problem a person may have. The media-driven reputation She has for only being honored by drug dealers and criminals is but a fraction of the services She has to offer. The majority of Her devotees who know the three-colored path focus mainly on La Blanca and La Roja, leaving La Negra to the more experienced spiritual workers.

…To Help the People.

There are essentially two levels of dealing with La Huesuda. The first and most general is that of the devotee. Santisima will receive offerings and prayers from anyone. Using Her own system of justice, She will weigh each prayer in Her scales and decide for Herself if She will grant the request. For most people She will perform miracles for them from time to time, however She does expect life-long devotion after that. But Death gets everyone in the end, either way it goes, and it’s because of this that She does not discriminate and accepts everyone. Whereas the Catholic Church will turn its back on homosexuals, criminals, those on the fringes of society, La Madrina welcomes them all with open arms.

The other level is that of spiritual worker. In Mexico, there are three general areas of spiritual workers, but the lines between these blur quite a bit, so it’s difficult to categorize every individual and his or her practices. Curanderos (male) and curanderas (female) tend to focus on healing and doing what would be considered “right hand” spiritual work. Hechiceros (as) tend to draw more from Native practices and can, as they say, work with both hands. Brujos (as) are generally thought to be more adept with darker workings, those of the so-called left hand path. Any of these can and do incorporate Santisima Muerte into their workings, as She is thought to have knowledge of all magical and spiritual systems, though She tends to think more highly of some than of others.

Presently, there are many from outside of Mexico and its traditional systems who Santisima is calling upon to work with her. And rest assured, Santisima chooses the worker, not the other way around. A person can receive all the training associated with Her, but if She rejects the person there is nothing to be done about it. Among those She does choose I’ve noticed several similarities, such as an intimate knowledge of how to work with the dead and the dangers associated with venturing into her home, the cemetery. She very much loves and protects those within her home, and She appreciates it when Her workers honor their own ancestors. There also tends to be a working knowledge of a system similar to Afro-Caribbean spiritual practices, the hoodoo of the Southern U.S., and traditional folk magic in general. Also, She tends to work better and faster for those who treat Her like a Catholic saint and observe certain guidelines.

In the End, La Muerte

Far from being the satanic symbol of cartels and criminal activity, Santisima Muerte came into my life with a force so powerful and beautiful that it completely redefined my previous spiritual beliefs. Being touched by this Heavenly Power brings with it a new understanding of Death, its place within the cycle of Life, and renews the appreciation I have for each day I’m given. She is a mother, a sister, a protector, a healer, and so much more. Her devotion continues to grow every day, as She turns no one away.

She’s done so much for me in my life that, like many others, I’ve built a public shrine to Her outside my home where anyone can come to pray to Her and leave offerings. Those people She’s brought to me to learn about Her gather once a week to recite the Chaplet, pray to Her, and give Her offerings in my private indoor chapel.

Death, as La Santisima Muerte, is rising to a much higher place than it’s been in recent history. Why this is happening remains to be seen. Perhaps this is due to the current state of our Western societies. Perhaps it’s due to some larger phase in human existence for which we are on the threshold. Most likely, those of us alive today may not know until we are finally embraced by Her boney arms and given Her eternal kiss.

Copyright: Copyright Steven Bragg 2012

Réquiem para um sonho

Ontem, de além das brumas, um irmão de outras paragens encaminhou a mim um texto. Sumariza de maneira ímpar a casa que gerou a mim e outros tantos Dragões. Reproduzo-o abaixo por uma questão sentimental, como auto-referência, e porque acredito que o legado dos mais antigos e sábios que nós se encontra ali adequadamente reproduzido.

 

Aos que Caminham por AvalonDas Sombras de onde viemos e onde aguardamos.1

1 Este não é propriamente um manifesto místico. É tão somente uma carta de intenções, uma infusão de valores, um mapa e um archote, na forma mais adequada a um mundo onde homens pensam serem deuses sem compreender o poder por trás dos próprios atos. Aqui falamos um pouco do que acreditamos, para que você saiba que não está só e que existem outros a quem procurar na Noite Escura, quando a saudade de lugares nunca vistos em um passado que nunca aconteceu assolar o seu coração.

Sangue por Sangue, Coração por Coração.

Nós  falamos de Magia, de  religião, de vidas que se cruzam para celebrar e cultuar os Deuses Antigos. Tratamos de um modo particular de ver e viver a Arte com dignidade, compostura e alegria.

Não estamos interessados em alimentar modismos, nem dar  combustível para brincadeiras. Tampouco estamos interessados em criar espaço para fantasias.

Não encorajamos a massificação da Velha Religião, nem simpatizamos com o proselitismo dos profissionais esotéricos. Mas se a Deusa é a sua prioridade então aqui encontrará algumas informações para que o caminho, que é sempre solitário, possa lhe conduzir a um sacerdócio decente.

Nós tratamos de Amor e tratamos de Fé.

A massificação da Antiga religião tem atendido os mais variados interesses,  e está entregue amotivações de pessoas ou organizações mesquinhas que ditam as regras e quebram-nas quando lhes interessa sem nenhuma coerência, sem pudores, ao sabor dos ventos e das marés do próprio humor.

O “verdadeiro pagão” não se define por ações de liberação sexual, ativismo social ou ecológico, muito menos por capacidade intelectual ou pela profundidade do seu “trabalho sombrio”. Ele se define em compromisso, seriedade, devoção e fé nos Antigos.

Não temos grandes templos nem movimentadas listas de discussão ou websites. Não fazemos atividades ritualísticas públicas, encontros sociais, acampamentos ou retiros abertos. Sequer estamos interessados em saber quantos somos. Somos errantes e vagabundos, dançarinos ocultos no oculto da Noite. Nosso prêmio é o silêncio, nossa benção o esquecimento, nosso espírito é o Mistério.

Estamos nas sombras, longe dos holofotes, onde é nosso lugar. Das Sombras e Pó de onde saímos erguemos nosso canto apenas pra fazer saber a quem tiver ouvidos: Estamos aqui e dizemos: -Os mistérios perduram! Ocultos, velados, guardados, selados! Avalon vive! Quem desejar caminhar em nossa senda que tenha coragem de fechar os olhos e ver o que foi escondido.

Os Deuses partilham conosco sua divindade, uma vez que partilhamos com eles em sinceridade e amor. A eles nos dirigimos e a eles devemos erigir nossos altares, não a nós mesmos, não à nossas conquistas, não aos nossos egos feridos.

Vivemos e buscamos viver nossas vidas  com Liberdade, Verdade, Lealdade, Honra, Responsabilidade, Amor e Serviço aos Deuses, Família, Humildade, Compaixão, Cortesia, Generosidade, Alegria, Bom-Combate e Nobreza no Espírito e nas Ações.

Muito do que representam  estes valores foi esquecido ou negligenciado pelos homens e mulheres contemporâneos,  de todos os credos. Foram abandonados entre  muitos neopagãos sob alegação de que constituem “resquícios de cristianismo” ou “arcaímos” incoerentes com a prática religiosa moderna.

Sabemos que  estes  valores expressam qualidades inerentes ao ser humano em dimensão espiritual, transcendendo a esfera das religiões e habitando uma esfera “superior” de compreensão. Por isso, pagãos de diversas sociedades cultivaram estes valores da mesma forma que hoje fazem religiões como o cristianismo, o budismo ou o  hinduísmo. Eles expressam a compreensão humana de que o homem necessita do homem e eleva-se espiritualmente ao conviver com ele.

A ausência destes valores na atual sociedade “pós-moderna” centrada no “ego-eu”, com foco no ateísmo ou no esoterismo irresponsável (onde tudo é válido em nome do  autoconhecimento) proporcionou comportamentos  nefastos  que proliferam em nome da liberdade e direito deste “eu”, esquecendo a importância do “outro” e usando-o como uma escada para alimentar o próprio ego.

Não há incoerência em ser pagão e não ser um militante social ativo, ou ser pagão celibatário, ou pagão não-ecologista, ou pagão-qualquer-outra-coisa. Bem como não há incoerência em adotartodas estas posturas político-sociais.

Há incoerência em ser pagão e não nutrir amor aos Deuses, em não acreditar Neles, em não celebrar seus cultos com devoção e Fé. Há incoerência em ser pagão “eternamente estudante”, mas nunca praticante, e só ter ao paganismo palavras de crítica e censura.

A Bruxaria chegou aos nossos dias, de uma forma  bela e sagrada, graças aos esforços de um povo simples, de uma fé quase ingênua. Chegou não, foi arrancada das sombras para que a humanidade pudesse preencher um vazio que a saudade das noites encantadas deixava nas almas das mulheres e homens de corações mágicos.

Trouxe em seu alforje um modo honrado e virtuoso de compreender a língua das fadas, o canto das sereias, o pio das corujas, os uivos dos lobos na Noite Infinita. Presenteou-nos com um dom quase esquecido: o de voarmos livres e altivos, como dragões, por sobre os desertos da vida profana.

Sua Lei, simples e clara, ensina a fazer o que o coração pedir sem a ninguém prejudicar. É tudo que precisamos para sermos felizes, honrar e prestar culto aos Antigos. Essa é a Lei, é toda a lei que juramos obedecer.  Isto é simples, mas  de difícil entendimento para os que hoje trilham o Velho Caminho.

Muita discussão se fez sobre o assunto, como se fosse imperioso que alguém explicitasse o que significa prejudicar outro alguém. Quando somos nós a parte prejudicada sabemos apontar com uma certeza draconiana, mas quando são os outros que choram e gemem por um ato nosso, é preciso uma explicação:

A cada vez que algum pagão descrever com escárnio e cinismo o sagrado do outro pagão está prejudicando; quando alguém pede ajuda para começar a entender os Antigos ou para se livrar da propaganda preconceituosa sobre nossos Deuses e práticas e além de não darmos uma explicação o tratamos com ferocidade e desprezo, estamos prejudicando; sempre que nossa visão se coloca acima da visão do outro e o obrigamos a ver com os nossos olhos, estamos prejudicando; sempre que nosso conhecimento for usado para escravizar a fé e o coração do outro, estamos prejudicando; sempre que nossos atos colocarem em descrédito ou em situação de desconforto outro praticante da Arte, estamos prejudicando; sempre que a mentira for elevada ao status de “objeto mágico”, estamos prejudicando.

Há muitas maneiras de cultuar os Antigos. Tradições e mais Tradições, umas rígidas, outras liberais. Há o Caminho Solitário com ou sem tradições, e o caminho dos que dançam juntos; a Iniciação tradicional, o caminho não iniciático, a auto-iniciação; A Bruxaria, o Druidismo, a Magia Cerimonial,  oreconstrucionismo;  No fim há apenas o Adormecer e o Despertar. E deve haver um espaço onde o Conhecimento seja tratado como um legado dos deuses à humanidade, e não como moeda de escambo.

Não há sabedoria em afirmar  que um ou outro caminho, ou  forma de entender um caminho seja: “lamentável”, “uma irresponsabilidade”, ou demais cacoetes do autoritarismo invejoso.  Aqueleque entendeu o que encerra este termo: Caminho  – saberá ouvir a voz dos encantados. Saberá que a Magia brinca de escapulir das regras que inventamos para aprisioná-la em nossos cofres pessoais. Sabe distinguir entre o que é limitação espiritual e o que é uma regra de sobrevivência.

Filósofos e sacerdotes de diversas eras: de pitagóricos e estóicos a hedonistas, de vestais e eunucos a bacantes, de ermitões e xamãs a flâmines e druidas, egípcios, mesopotâmicos, cretenses, gregos, romanos, celtas, germânicos, eslavos, polinésios, africanos, astecas, incas, maias, indianos, chineses, japoneses, nativos australianos, indígenas (norte, centro e sul) americanos e todos os outros povos que viveram e ou ainda vivem em diversas sociedades de espiritualidade pagã, nos apresentam variadas formas de viver a religiosidade, todas elas sagradas, todas elas dignas de celebração e agradáveis aos Deuses.

Nisto, sabemos que nossos valores são atuais e necessários na sociedade em que vivemos. E que são plenamente aplicáveis às nossas vidas, uma vez que deles tenhamos a correta compreensão, e não uma visão estreita e anacrônica. Eles precisam ser vividos e praticados na realidade e não apenas no discurso ou no mundo das fantasias.

Nossa linhagem nasceu por três Pórticos. Hoje há apenas um Umbral, mas continuam existindo diferentes graus.  Os graus representam etapas de crescimento espiritual e compreensão que o caminheiro precisa passar para compreender o sacerdócio.

A Deusa em nosso amor é Tiamat, Mãe dos Dragões e Senhora da Lua. Seu consorte é Apsu, regente da Caçada Selvagem e  dos submundos. Eles são cósmicos e universais, complementares e completos, mas caminham com os Ancestrais, com O Portador e  A Peregrina, com as Potências e Principados, Hostes e Falanges, e com os deuses íntimos que dançam nos altares.

Louvamos  sacerdotes  que se relacionem com a Teia, conscientes das responsabilidades que todos temos. Tudo que fazemos ou deixamos de fazer tem conseqüências para os que nos cercam, e este é o sentido real de estarmos ligados. Por isso, devemos fazer dos nossos atos gestos que fortaleçam nossas relações uns com os outros, diante do que é certo e para o bem de todos: pessoas e sociedade.

Nosso caminho tem quatro  atributos: é religioso, draconiano, iniciático e neopagão.  É um caminho religioso porque o ponto central  dele é a Fé e o culto aos Deuses. É draconiano porque para nós importam as leis, a ética, a honra e a verdade. É Iniciático porque é de Mistérios que se faz nossa senda mágica. E é  Neopagão porque acreditamos na força que emana da Terra, na diversidade dos Deuses e Deusas e na ligação existente entre todas as coisas: a Teia.

Nossos espíritos são  livres para  ir ou vir, aceitar ou rejeitar presentes e  convites, caminhar solitários, em bando ou em turba. Nossa casa é o Céu  Estrelado e nosso limite o próprio caminho.Dançamos ao redor da Chama Ancestral e invocamos os guardiões do fogo perpétuo. Nenhum Lar sobre nossas cabeças haverá senão a Avalon Viva, cujo mundo nós só vemos pelos olhos de Outro.

Não apoiamos posturas sectárias de grupos que induzem neófitos, sob quaisquer alegações, a rupturas entre pais e filhos, cônjuges, familiares, e de relações profissionais, convencendo-os em sua doutrinação a realizarem atos e práticas contrárias às suas próprias naturezas e que lhes violentam física, espiritual e psicologicamente.

Como religião, acreditamos no  religare, em unir e integrar mulheres e homens entre si, aos Deuses e ao mundo onde vivem, estimulando uma relação positiva e construtiva com a sociedade, com as leis e com os deveres enquanto cidadãos de um Estado Democrático.

Dragões nascem sozinhos. Nascem do fogo, da água, do ar ou da terra.  E aprendem a voar sozinhos, e a cuspir fogo, caçar, encantar. Nascem da força de vontade de transcender a existência humana. Ao nascerem, o dinheiro e a fama viram coisas secundárias, pois dragões vivem nas sombras, são arredios aos holofotes, hoje esta verdade é mais que vívida e as lições do porque ficaram marcadas no espírito com a clareza da Lua Cheia.

Depois de anos de neopaganismo no Brasil, muitas autoridades em história da Bruxaria Moderna surgiram nos meio cibernéticos. Cada uma delas afirmou seu conhecimento sobre a vida e as realizações de Gerald Gardner, Margareth Murray, James Frazer, Marija Gimbutas, Aleister Crowley ou quaisquer outros poderosos místicos-magistas-antropólogos-ocultistas a quem atribuíssem influências de maior importância para responder de onde o neopaganismo surgiu.

Esses “pesquisadores” também fizeram balanços  – orientados para seus interesses acadêmicos ou políticos – sobre a evolução da Wicca desde seu surgimento na Inglaterra da década de 50 passando por sua migração para  a América, suas influências  do dianismo e da psicologia, a relação com os movimentos sociais feministas, gays, hippies e de minorias em geral.

Somaram considerações sobre o movimento neopagão romântico do século XVIII e as religiões de mistérios da Antiguidade ou criticaram as relações fantasiosas da bruxaria moderna com a “sociedade matriarcal ideal do passado”, que nunca existiu, mas que continua associada aos cretenses, aos celtas, aos “atlantes” ou a algum povo neolítico perdido no tempo.

Cada uma dessas autoridades usou suas credenciais da melhor maneira que conseguiu para validar seu ponto de vista: historiadores, filósofos, filólogos, estudantes, mestrandos, doutorandos, pesquisadores com 2, 5, 10, 30 anos de atividade criteriosa e dedicação.

O resultado de tudo isto pode ser encontrado na Internet, em alguns livros editados aqui e em muitos editados no exterior e em dezenas de workshops espalhados pelo país. Para nós, entretanto, a importância desta questão é menor, muito menor. O que realmente importa não é o que se sabe. Tal o mostra aquele que aprendeu o que sabiam seus irmãos e terminou exilado na Lua.

Temos consciência do romance e fantasia das versões que repetimos sobre nós próprios. Para nós a Bruxaria surgiu do amor à Mãe Natureza nos corações humanos, e a forma como contamos esse surgimento é para falar ao espírito e não à mente racional.

Não teremos, queremos ou daremos respostas. Sequer  ensinaremos sobre as razões e os porquês. Não  revelaremos como se organiza o cosmo ou quantos são os  Reinos do Espírito, nem qual força tem cada planeta ou esfera da Grande Árvore. Toda Tradição é uma conselheira e cada ser é livre para decidir e saber, na sua própria medida e necessidade.

Não estamos aqui pra  distrair ou atrasar os caminheiros  ao longo  do caminho. O Saber está disponível pros que buscam. O que  sabemos é  uma forma de caminhar em qualquer caminho, dignidade, que somente serve àqueles em cujo espírito se alimente na Chama da liberdade.

Através da observação os ancestrais recriaram de forma  ritualística os fenômenos da Vida, da Morte e do Renascimento, ilustrados pelos ciclos sazonais e pelo ciclo lunar. A interação com essa realidade sob um prisma mágico propicia um entendimento que transcende a lógica cartesiana.

É um saber mágico, que não carece de malabarismos intelectuais e teses acadêmicas. E como todas as religiões, o Culto nasceu da mente humana. Nasceu da interpretação de um arquétipo e do reconhecimento de uma divindade real e imanente.

E Avalon?Avalon continua oculta em suas brumas, distante do mundo das coisas comezinhas e banais. O caminho permanece secreto, mas se revela aos que conhecem os Mistérios Antigos.

Avalon é onde o  Vento Selvagem  sopra, onde as Nove  cultivam as macieiras  e os Irmãos Maiores  pousam em suas pedras. Lá o Povo pequeno dança nos círculos sagrados enquanto o tempo não passa.  E aos que vencem os desafios em Avalon aguarda um banquete partilhado em Amor.

Avalon é aqui e lá, o mais próximo que um Dragão terá como lar. Avalon é a Ilha perfeita, pelo qual marcamos em fogo o Sagrado Elo. De lá viemos e para lá voltaremos, e defenderemos a Senhora de nossos dias e noites até o fim, nas sombras onde aguardamos. Conosco não caminham perjuros.

Solstício, março, 2011 desta Era Comum

Reflexões sobre o CCIR e o artigo de hoje no extra.

Lendo o artigo publicado hoje (http://extra.globo.com/noticias/religiao-e-fe/comissao-de-combate-a-intolerancia-religiosa/intolerancia-religiosa-contra-wiccanos-preconceito-ou-ignorancia-1141710.html) causou-me um certo repúdio a estratégia utilizada pelo autor para abordar o tema.

 

O CCIR colocou hoje no extra um texto com pérolas como :

A intolerância religiosa há muito faz parte da história da Wicca, e seu episódio mais famoso foi a “Santa” Inquisição.

A  começar, a Santa inquisição não foi um episódio da história da Wicca, que é comprovadamente uma religião moderna.  Querer associar isso a uma história de milênios é uma busca desesperada por credibilidade, o que geralmente é um péssimo sinal. É semelhante ao fundar uma ordem ou tradição, empurrar goela abaixo que a mesma veio do antigo Egito, do templo de Salomão, da Lemúria ou qualquer destas besteiras tão em voga desde a época da Golden Dawn.

outra pérola:

(…) foi inicialmente instituída para combater os chamados “hereges”: grupos religiosos que praticavam a adoração às divindades pagãs,(…)

Historicamente, pelo que sei, a santa inquisição (recuso-me em colocar “santa” para qualquer ato de homicídio)  teve muito mais importância na perseguição dos judeus, dos apóstatas e heréticos (e.g,cátaros) do que de adoradores pagãos. Apesar do delírio megalomaníaco de alguns, o Paganismo à época da inquisição já não era ameaça à Roma há muito, muito tempo. Houve um esforço, pode diversos papas, de “corrigir” seitas bastardas que ameaçavam a hegemonia de Roma, um “controle de qualidade” que buscava unificar os dogmas da recém formada fé cristã. Coisa comum a grupos que desejam manter-se no poder, tão comum e atemporal que recentemente há uma Igreja (risos) Brasileira que quer fazer o mesmo pelo Paganismo (ou é o que dizem…)

Por falar nisso, heresia é a deturpação de um sistema ortodoxo, não ser membro de uma religião diferente, como faz crer o autor (um breve estudo etimológico das palavras haerĕsis e/ou αἵρεσις lançaria luz nesse aspecto).

Uma vez que isto reste esclarecido, a intolerância religiosa, praga que assola o Rio de Janeiro e o resto do país, só pode ser combatida através das campanhas de esclarecimento + ações legais quando apropriadas, e falar sobre isso é um excelente começo. Melhor seria falar sem se socorrer de inverdades e deturpações dignas do lado agressor.

Que tal falar um pouco do que pode ser feito, de maneira concreta pelos indivíduos, como as queixas crimes de injúria, a aplicação da lei caó, etc? Há um guia excelente sobre o tema, do CEAP, que merece uma lida. Fica a dica.

Que me desculpem os participantes que emprestam sua boa fé e sua boa vontade a este tipo de evento, mas caminhadas e se vestir de branco só serve ao circo midiático e à vontade de aparecer de alguns. Se querem ser respeitados em seus direitos mais basilares, como o do livre culto religioso, aprendam a lei e lutem pelos seus direitos de maneira correta, não fiquem só no bla-bla-blá em busca de fama. Se esperam que os fanáticos religiosos e os ignorantes um dia caiam em si, levantem as mãos ao céu, e digam “ó, céus, errei!” podem esperar sentados. Os verdadeiros agressores não serão comovidos por passagens belas ou  coraçõezinhos (S2S2), mas por ações judiciais  e prisões.

 

 

Sobre a lenda de Medusa

Excelente texto retirado de http://www.artpage.com.br/marise/medusa1.html, de autoria  de Marise de Souza Morais e Silva Santos

Medusa – Mito e Estados Depressivos

Medusa, ser terrível, embora monstro, é considerada pelos gregos uma das divindades primordiais, pertencente a geração pré – olímpica. Só depois é tida como vítima da vingança de uma deusa. Uma das três górgonas, é a única que é mortal. Três irmãs monstruosas que possuíam cabeça com cabelos em forma de serpentes venenosas, presas de javali, mãos de bronze e asas de ouro. Seu olhar transformava em pedra aqueles que a fitavam. Como suas irmãs, Medusa representava as perversões. Euríale, simbolizava o instinto sexual pervertido, Ésteno a perversão social e Medusa a pulsão evolutiva, a necessidade de crescer e evoluir, estagnada. Medusa também é símbolo da mulher rejeitada, e por sua rejeição incapaz de amar e ser amada, odeia os homens nas figura do deus que a viola e abandona e as mulheres, pelo fato de ter deixado de ser mulher bela para ser monstro por culpa de um homem e de uma deusa. Medusa é a própria infelicidade`, seus filhos não são humanos, nem deuses, são monstros. Górgona, apavorante, terrível.

O mito de Medusa tem várias versões, mas os pontos principais refletem estas características acima. Como Midas ela não pode facilitar a proximidade, um transformava tudo em ouro com apenas um toque, ela é mais solitária mais trágica, não pode sequer olhar, pois tudo o que olha vira pedra, Medusa tira a vida, o movimento com um simples olhar, também não pode ser vista de frente, não se pode ter idéia de como ela é sem ficar paralisado, morrer.

Diz o mito que outrora Medusa fora uma belíssima donzela, orgulhosa de sua beleza, principalmente dos seus cabelos, que resolveu disputar o amor de Zeus com Minerva. Esta enraivecida transformou-a em monstro, com cabelos de serpente. Outra versão diz que Zeus a teria seqüestrado e violado no interior do templo de Minerva e esta mesmo sabendo que Zeus a abandonara, não perdoou tal ofensa, e o fim é o mesmo. Medusa é morta por Perseu, que também foi rejeitado e com sua mãe Danae trancado em uma arca e atirado ao mar, de onde foi resgatado por um pescador que os levou ao rei Polidectes que o criou com sabedoria e bondade. Quando Perseu ficou homem, Polidectes enviou-o para a trágica missão de destruir Medusa. Para isto receberia o auxílio dos deuses. Usando sandálias aladas pode pairar sobre as górgonas que dormiam. Usando um escudo mágico de metal polido, refletiu a imagem de Medusa como num espelho e decapitou-a com a espada de Hermes. Do pescoço ensangüentado de Medusa saíram dois seres que foram gerados do conúbio com Poseidon. O gigante Crisaor e o cavalo Pégaso. O sangue que escorreu de Medusa foi recolhido por Perseu. Da veia esquerda saia um poderoso veneno, da veia direita um remédio capaz de ressuscitar os mortos. Ironicamente, trazia dentro de si o remédio da vida, mas sempre usou o veneno da morte.

” Três irmãs, três monstros, a cabeça aureolada de serpentes venenosas, presas de javalis, mãos de bronze asas de ouro: Medusa, Ésteno e Euríale. São símbolos do inimigo e se tem que combater. As deformações monstruosas da psiqué, consoante Chevalier e Gheebrant ( Dictionnaire des Symboles, Paris Robert Laffont, Júpiter, 1982) se devem as forças pervertidas das três pulsões: sociabilidade, sexualidade, espiritualidade” .(Brandão, ed. Vozes 1987).

Tenho observado em pacientes em terapia, alguns processos que remetem ao mito de Medusa. Estes relatam um sofrimento imenso devido a dificuldades em perceber a própria imagem. Quem sou eu? A grande pergunta para qual toda a humanidade busca respostas. Para estas pessoas, como se tivessem uma imagem invertida refletida no espelho, a pergunta é o que eu não sou. Incapazes de mostrar uma imagem positiva, como os filhos monstros de Medusa, erram pela vida alinhando possibilidades para construir sua monstruosidade. Estes filhos de Medusa, embora filhos de um deus, herdam da mãe a figura monstruosa a que se viu presa a bela Medusa. A duplicidade da Mãe os acompanha. Pégaso unido ao homem é o Centauro, monstro identificado com os instintos animalescos. Mas tambem é fonte, como seu nome simboliza, alado , é fonte de da imaginação criadora sublimada e sua elevação. Temos em Pégaso os dois sentidos ,a fonte e as asas. Símbolo da inspiração poética representa a fecundidade e a criatividade espiritual. Pégaso talvez represente o lado belo de Medusa, que ficou escondido, que não podia ser visto, pois como vimos ela representava a pulsão espiritual estagnada. Pégaso é a espiritualidade em movimento. Crisaor é apenas um monstro, pai de outros monstros Gerião de três cabeças e Équidna. Équidina herda da avó o destino trágico. Seu corpo metade mulher, de lindas faces e belos olhos, tem na outra metade uma enorme serpente malhada, cruel . É a bela mulher de gênio violento. Incapaz de amar, devoradora de homens. Uma reedição de Medusa. Continuará a saga ancestral de odiar os homens e gerar monstros.

Com uma imagem distorcida, como dizíamos anteriormente, estes “filhos de Medusa” não podem ver-se a si mesmos como são, e sempre imaginam bem piores até mesmo do que poderiam ser.

Alguns autores como Melanie Klein e Alexander Lowen falam que a imagem de si se origina do olhar da mãe. A forma como a criança é olhada, é vista, o que ela percebe de rejeição ou aprovação é captado no olhar da mãe. Os tristes filhos de Medusa não podem vê-la, tambem não podem ser vistos por ela. Esta mãe de mãos de bronze não pode acariciar, seu olhar paralisa, seus dentes de javali impedem que beije, mas quando poderia ser atingida pelo filho ela se torna divina, tem asas de ouro, é um alvo móvel. Medusa incorpora para estas personalidades de estrutura depressiva o mito da mãe divina, vista pelo seu filho como a santa mãe, não gera filhos felizes, apenas trágicos. Não pode ser mulher, é santa. A princípio como Jocasta, depositária da paixão do filho, Medusa não o ama, fazendo-o sentir-se torpr e culpado pelo seu amor incestuoso. Como recurso ele a santifica para continuar amando-a e justificando a sua rejeição como forma de protege-lo da sua própria torpeza. Desprovida como santa de instinto sexual, não pode falar ao seu filho da sexualidade feminina, não pode dizer-lhe o que é uma mulher. Inacessível como santa, torna-se monstro. Monstro que é percebido pelo filho mas que se nega a ser visto como é. Medusa não olha, não acaricia, não orienta. Paralisa. Não é por acaso que o sentimento da depressão é a inércia, a perda da vitalidade. Como se tivessem transformados em pedra pelo olhar da mãe os filhos de Medusa erram pela vida sem espelhos que traduzam sua imagem. São monstros cuja criatividade afogada na pedra de suas almas precisa ser libertada. Precisam encontrar um espelho e que lhes diga quem são ou pelo menos quem não podem ser.

No trabalho terapêutico de pacientes com depressão, tenho observado que há uma enorme dificuldade em perceber a figura materna. Ela é idealizada a partir de perfis culturais que parecem não poder ser questionados. Frases como: “qual a mãe que não ama seus filhos?” ou “toda mãe é uma santa” traduzem a situação que impede a visão do real. São pessoas desprovidas de afeto, mas com uma enorme necessidade de carinho, que no entanto não suportam proximidade, de uma vez que não confiam em ninguém, pois não acreditam que podem ser amados. Sentem se monstros. Alguns mais adiante no processo chegam a perceber nitidamente que não foram amados, mas como se esquivando de perceber a profundidade dessa dor negam afirmando que isto é normal, diante da sua torpeza. Falam de mães ocupadas, falam de mães vaidosas ressentidas da perda da beleza com o nascimento do filho. Mas essas referências são quase superficiais.

Quando conseguem se aproximar da visão real dessa mãe de garras e mãos de bronze os sintomas se multiplicam, aumenta a depressão e com esta a paralisia, a inércia. Podem passar vários dias deitados, sem trabalhar ou realizar um mínimo de esforço. Ver Medusa é petrificar-se. Muitos desenvolvem sintomas de dor de cabeça, medo de doenças fatais como câncer, AIDS (doenças ligadas a amputação, decapitação, ao sangue, a sexualidade e sintomas de castração). As fantasias de autopunição se multiplicam, relatam possibilidades de acidentes de automóvel ou com armas de fogo. Tem fantasias de traição com amigos ou companheiras. São pessoas trágicas. Todos relatam uma ausência de alegria, mesmo quando estão em ambientes alegres. Uma profunda inveja do prazer do outro os assola. Muitos perseguem a fantasia de resolver a falta com postos de poder e dinheiro. Aumenta a dor. O poder que tanto ansiaram ou o dinheiro que tudo resolveria aumentam a profundidade do abismo. Ter tudo e não sentir-se nada é muito mais terrível. O abismo se abre cada vez mais como as entranhas da mãe monstruosa. Restam- lhes fantasias suicidas. É preferível morrer a sentir-se monstro. Muitos realizam esta fantasia como ultima tentativa de atingir Medusa. Mas ela nada sentirá, seu ódio pelo homem que a violou transmite-se ao filho que gerou. Sua pior inimiga Minerva ( a deusa da inteligência), deixa-lhe como legado o ódio às mulheres. Não pode dizer ao filho como lidar com elas, como gerar com elas novos filhos, amados ,sadios. Sua descendência, embora não precise ser deverá ser de monstros gerando outros monstros. Fala-se da hereditariedade da depressão. Penso que se houver é muito mais transmitida em gestos e pelo ambiente trágico e desprovido de prazer, em que estas novas crianças nascerão. Os filhos de Medusa não podem ter mulheres amorosas, isto a denunciaria. Raramente, quando encontram estas mulheres não podem confiar nelas e abortam assim a possibilidade de obter o amor que os revitalizaria.

Mas, apesar das dificuldades e das fantasias autopunitivas, Medusa pode ser vista. Através do espelho do terapeuta e deste como espelho, a figura de medusa pode ser vista. Se a relação terapêutica se dá de forma transferencial, amorosa, confiante, o espelho refletirá imagem de Medusa, como ela é. Incapaz de amar, cruel e terrível, górgona, apavorante. Como resultado o filho descobrirá que o monstro é ela, não ele. Da morte dela resulta sua vida, e como Pégaso ele ganha os céus, liberto, simbolizando a vitória da inteligência e sua união com a espiritualidade, a sensibilidade que sempre existiu naquele que se julgava o monstro. Como Pégaso, se não se aferrar ao seu aspecto de humano comum, em revoltas descabidas e em vinganças inúteis poderá compreender a tragédia de Medusa e perdoa-la. Não se transformará no monstro Centauro, identificado com o instintos animalescos e a sexualidade desregrada. Se incorporar Centauro errará pela vida sem pertencer a ninguém. Homem de muitas mulheres, mas sem nenhuma. Será monstro preso a sua mãe monstruosa. Incapaz de amar como ela. Se assumir sua condição de Pégaso, será fonte, de todas as belezas, da mais pura elevação, da criatividade, da fidelidade. Não é por acaso que Pégaso simboliza a Poesia.

As filhas de Medusa também apresentam como ela a impossibilidade de ser amada. São mulheres tristes de trágica figura, mesmo quando belas. Condenadas a serem crianças eternas presas as entranhas da mãe, não podem deixar de ser filhas-monstro, a não ser para poderem ser mães- monstro. Filhas da violação e do abandono (é assim que Medusa transmite a elas sua relação com os homens) são mulheres-meninas, incapazes de perceber o homem a não ser como brinquedo, ou como fonte de sofrimento. Unem-se quase sempre a homens cruéis que possam justificar a idéia da mãe da impossibilidade de ser feliz com um homem. Quando raramente encontram o amor, destroem-no destruindo o homem amado, como faz no mito Équidna, legítima herdeira de Medusa.. Mulheres de amores infelizes, herdam de Medusa as garras, as mãos de bronze, e as asas de ouro. Vítimas de novos abandonos reforçam em cada experiência infeliz a idéia da mãe. Também possuem o olhar terrível. Das uniões infelizes geram filhos infelizes que carregam presos a si mesmas não por amor, mas pelo terror que podem gerar. Novas medusas. Se pela procura puderem chegar ao espelho, podem ser deusas, podem ser Pégasos, ou até mesmo Poesia uma das Musas; se não seguirão seus destinos de mulheres- crianças gerando filhos que não podem amar e que no máximo lhes servem de brinquedo para suas brincadeiras cruéis de paralisar e aterrorizar pessoas. Seguem a saga de Medusa. Mulher que se torna monstro, pelo descuido de homem, pela crueldade de uma deusa.

Mas e as mulheres Medusa? O que lhes resta? O próprio mito nos mostra.

Perseu filho de Danae, mãe amorosa, que segue seu filho no destino que lhes foi dado pelo pai terrível que ouviu de um mago que seria assassinado pelo neto. Trancados em uma arca atirados ao mar são salvos por Poseidon que os encaminha a uma praia tranqüila onde são recolhidos por um pescador e levados ao rei Polidectis, que o educa amorosamente como filho. Perseu é filho de mãe amorosa, que tudo perde para seguir seu filho. Que abandonada por um homem, o próprio pai, atirada à morte por ele não transforma isto em ódio a masculinidade. Perseu também. Seu abandono pelo avô e pelo pai que não o salva, é no entanto criado por um pai amoroso. Perseu e Danae o oposto de Medusa. Não permitiram que sua desgraça se transformasse em ressentimento para com a humanidade. Foram alcançados e salvos pelo amor humano. Ao contrário de Medusa, da qual ninguém pode se aproximar. Somente Perseu poderia destruir Medusa, ele pode ser visto exatamente como seu contrario no espelho, ela mulher, ele homem, ela ressentida, ele perdoando, ela sem possibilidade de resgate, ele salvo pelo amor da mãe que o acompanha, pelo cuidado de um deus e pelo amor de uma pai-rei. Tudo o que faltou a Medusa que precisa ser vista, no espelho, para poder ser destruída e libertar Pégaso. Medusa tem que ser compreendida alem do seu aspecto monstro, como mulher-criança, frívola, presa a beleza passageira, desafiando a grande deusa, a inteligência a quem desafia e a quem odeia. Para depois de morta servir a ela, Minerva, mesmo que seja como esfinge no seu escudo. Guiado pela inteligência e sabedoria de Minerva, que corrige o seu erro de ter criado um monstro, o olhar de Medusa agora é útil, tem aplicabilidade, destroi o inimigo. Já não mata os que ama.

Se a transferência não se realiza, se a relação terapêutica não se faz, e disse alguém que a terapia é uma função de amor, os filhos de Medusa verão no terapeuta a imagem dela e fugirão. Tudo estará perdido, o amor não poderá realizar seu resgate, e Medusa permanecerá eternamente viva destruindo e paralisando até que se destrua ou destrua seus filhos.

 

Recife, 11 de dezembro de 1996

Marise de Souza Morais e Silva Santos