O inimigo do Paganismo.

Costumo dizer que no Paganismo Draconiano só há espaço para o culto aos Antigos Deuses e mais nada. Se você deseja misturar ambientalismo, questões de gênero, política, ou algo deste tipo que vá o fazer longe de um altar. O altar não é palco para vaidades políticas ou movimento social onde se despeja suas inseguranças e teorias sobre o mundo, o altar é um local de culto ao sagrado e aos Deuses. Digo isto com pureza d’alma, da maneira que critico os bispos e pastores das ovelhas fazendo o mesmo – afinal, no Paganismo Draconiano não há espaço para dois pesos e duas medidas.

Em um país em que a Wicca é regida por três ou quatro panelinhas que produzem mais política que a bancada do PMDB e PT juntas, e que bate palmas pra aberração que são ciganos indo pra passeatas de orgulho pagão, isso não faz de mim o ser mais popular. Excelente, uma vez que não estou aqui pra fazer amigos.

Coloque nesse caldo o fato de ser homem, heterossexual CIS e temos aí uma receita para o desastre. É algo bastante interessante, que me coloca em uma posição de “minoria” dentro do Paganismo, e faz que calce os sapatos daqueles que habitualmente são minoria no mundo profano.

Se você não concorda com nada do que eu escrevi, ótimo! Se você deseja continuar falando que Paganismo não é religião, é seita, ou que é um “estilo de vida”, que acredita em um Deus ou Deusa única (todas as outras seriam faces desta – os Jesuitas mandam lembranças e puxam um amém lá do fundo da sala), parecida com um Jesus de saias que é amor, homossexual, poliamorista, vegan, abraçadorx de pandas, por favor, não permita que eu o impeça – O Paganismo é livre. Apenas pare de ler por aqui, uma vez que claramente este texto não é para você.

Não parou? Ótimo. O Paganismo Draconiano é isso: passa ao longe do politicamente correto e não vê o conflito como algo ruim. Ainda, fala de leis naturais sem falar de ecologia (ó, o atrevimento…). Vamos fazer um teste pra ver se você deveria estar aqui mesmo?

“O homem possui primazia na força física nos membros superiores, e a mulher geralmente é mais gordinha”.

Se você está espumando pela boca enquanto prepara as tochas e os facões, bom, isso prova que você realmente não deveria ter continuado a ler. O parágrafo acima é ciência – o juízo de valor quem está fazendo é VOCÊ. E este juízo de valor, meus caros, acaba sendo o verdadeiro inimigo das fés Pagãs em Terra Brasilis.

O problema não é nem nunca foi a liderança x, y, ou z. O inimigo não é este ou aquele coven Wicca. Eles estão lá, trabalhando do jeito deles. Se fofocam, ou fazem politicagens, é problema exclusivo deles e dos Deuses que cultuam. O problema é a tacanhice, a falta de estudo e prática que se abateu sobre o Paganismo Brasileiro. Essa ignorância, esse miasma alimentado por uma cultura ensandecida de copiar/colar/compartilhar emburrece e limita, tornando o Paganismo uma fonte repetidora de erros históricos e visões míopes, embrulhada por valores regurgitados pelas grandes editoras e seus autores prostituídos.

O inimigo, neste caso, não é o homem e seu patriarcado, ou o caráter opressor do macho heterossexual: São os conceitos trazidos por aqueles que se dizem Pagãos e ameaçam muito mais que todos os Católicos e Evangélicos juntos.

Qual foi a última vez que você experimentou por si próprio(a)? Quando participou de um encontro entre Pagãos sem lojinha, entrada, ou patrocínio? Pense nisso. Cada vez que você endossa um grupo pra te representar, sua voz se cala e o poder dos outros aumenta. E poder, meus caros, corrompe.